Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
WALFREDO GURGEL PODE SER INTERDITADO - Leia mais notícias no Clipping Cremern 23/09/2010
TRIBUNA DO NORTE WALFREDO GURGEL PODE SER INTERDITADO O Conselho Regional de Medicina fixou a próxima segunda-feira como prazo máximo para a Secretaria Estadual de Saúde resolver o problema de desabastecimento no Hospital Walfredo Gurgel. Caso contrário o Cremern irá submeter ao plenário do Conselho, de acordo com o coordenador de Fiscalização, Jeancarlo Cavalcanti, a proposta de interdição no Walfredo Gurgel por conta da falta de condições mínimas de atuação dos médicos no Hospital. O desabastecimento é consequência direta da falta de orçamento da Secretaria Estadual de Saúde. A carência de medicamentos, materiais hospitalares e outros insumos na rede estadual de Saúde, principalmente no Hospital Walfredo Gurgel, entrou de vez no debate sobre o remanejamento orçamentário pleiteado pelo Governo para a Assembleia Legislativa. Uma petição do Ministério Público, enviada à Justiça no último dia 17, pede a liberação do remanejamento sob pena de descontinuidade nos serviços do Walfredo. O motivo é a falta de orçamento da Sesap, o que segundo o Governo do Estado só poderá ser resolvida com o remanejamento. Como não há orçamento, não há compra de materiais e medicamentos. Dessa maneira, há carências periódicas de materiais básicos como luvas de procedimento, fios de sutura, medicamentos, ataduras do tipo crepom, entre outros insumos. A situação de penúria se arrasta há dois meses e durante todo esse tempo pacientes compram material hospitalar ou emprestavam para suprir demandas emergenciais entre os próprios hospitais da rede. Contudo, na última semana os médicos resolveram não levar mais adiante a situação. Os chefes de setores médicos como de Unidade de Terapia Intensiva, pronto-socorro, neurocirurgia, ortopedia, entre outros, entregaram um documento à Sesap e ao Cremern pedindo a interdição do Hospital. Por conta das graves conseqüências do ato, o Cremern intercedeu junto aos profissionais para que houvesse um prazo até a próxima segunda-feira para normalizar o abastecimento. Segundo vários médicos que trabalham no Walfredo Gurgel, houve uma melhora, mas isso não indica que o estado precário tenha sido superado. Reagentes para a realização de exames médicos ainda estão em falta, além de alguns tipos de fios para sutura. “O desabastecimento ainda existe. Eles conseguiram alguns itens, mas não solucionaram todo o problema”, diz o neurocirurgião Luciano Araújo. Para o presidente do Sindicato dos Médicos, e anestesista do quadro do Walfredo Gurgel, Geraldo Ferreira, o abastecimento na unidade está sendo feito sem planejamento. “Não há uma regularidade, um planejamento para abastecer o Walfredo Gurgel. Pede-se emprestado, faz-se compras de emergência, mas logo volta a faltar algum item”, analisa Geraldo Ferreira. Embora, no que diz respeito ao abastecimento dos hospitais, a situação mais preocupante esteja no Walfredo Gurgel, o Hospital Santa Catarina também precisa de jogo de cintura para conseguir comprar o material hospitalar que precisa para atender os pacientes. Segundo o diretor administrativo, Carlos Leão, a unidade pedirá uma inclusão de R$ 600 mil em compras para garantir o funcionamento do Hospital até o fim do ano. Se o pedido não for satisfeito, haverá dificuldades para manter o Santa Catarina em funcionamento no início de novembro, ainda de acordo com o diretor administrativo. Até o momento, o Hospital não vem enfrentando graves problemas de abastecimento. Judiciário não pode interferir Na opinião de três especialistas ouvidos pela reportagem da TRIBUNA DO NORTE, o Poder Judiciário não tem condições jurídicas de autorizar o remanejamento, como quer o Governo do Estado. Segundo os três advogados, tal ato contrariaria a independência e harmonia entre os poderes, tendo em vista a competência do Poder Legislativo para apreciar esse tipo de pedido. Para o advogado Paulo de Tarso Fernandes, não há como a Justiça decidir pelo Legislativo acerca do remanejamento orçamentário. “O orçamento é uma matéria de competência do Legislativo. Não há no plano federal nenhum caso de o STF ter apreciado algo assim sobre o orçamento do Governo Federal. A Constituição diz que o Legislativo precisa apreciar”. Jorge Galvão, ex-controlador-geral do Estado, vai na mesma linha. Ele utiliza um argumento também citado por Paulo de Tarso Fernandes: o prazo legal para a Assembléia Legislativa se pronunciar ainda não acabou. “O poder legislativo sequer se pronunciou acerca do mérito da questão, então seria uma quebra no princípio da divisão dos poderes uma decisão judicial a essa altura”, analisa. Já a ex-consultora do Estado, Tatiana Mendes acrescenta a necessidade de “autorização legal” para o remanejamento orçamentário. Sinmed entra com recurso no Tribunal O Sindicato dos Médicos (Sinmed) entrou com recurso no Tribunal de Justiça, ontem à tarde, para tentar reverter a decisão da desembargadora Maria Zeneide Bezerra, que considerou abusiva a greve dos médicos do município. “O recurso é direcionado à desembargadora, que se não reconsiderar a sua decisão, deverá encaminhar o recurso, com pedido de liminar, para julgamento em uma das Câmaras Cíveis do Tribunal”, explicou a advogada do Sinmed, Júlia Jales. A argumentação da advogada do Sindmed é de que a categoria vem mantendo o percentual mínimo de 30% do atendimento aos pacientes - “inclusive até mais que isso em algumas unidades” -, além de que a categoria tem experiência de greve “até em sede estadual”, onde a prestação dos serviços de saúde é de média e alta complexidade. No caso do município, o Sinmed argui, segundo ela, que o serviço prestado é de atenção básica e, portanto, o movimento grevista “não traz risco à saúde da população”. Quanto à fixação de uma multa no valor de R$ 1.000,00 para cada dia de paralisação a partir da notificação do Sinmed, o que ocorreu no fim da tarde de terça-feira, dia 21, por intermédio de um oficial de justiça, Júlia Jales afirma “ser razoável” a sua não aplicação, enquanto não for julgado o recurso, em grau de agravo interno, em que são apresentadas as versões do Sindicato para a deflagração da greve, que amanhã completa 20 dias.”A desembargadora proferiu a sua decisão com base na versão do município”, lembrou a advogada. O secretário municipal de Gestão de Pessoas, Roberto Lima, confirmou, ontem, que o ponto dos médicos que deixarem de comparecer ao trabalho, em face da declaração judicial de ilegalidade da greve, será cortado. Além do aspecto legal, o secretário diz que também “é um dever moral” de descontar nos salários as faltas ao trabalho, porque quem paga os servidores é a população natalense. Segundo Lima, a decisão judicial sobre a abusividade da greve dos médicos, dá o suporte legal para quem não está comparecendo ao trabalho “levar falta”, vez que não há mais justificativa. A Câmara Municipal de Natal realizou audiência pública, na tarde de ontem, para debater a questão dos três projetos relacionados ao plano geral de carreira dos servidores municipais, dos servidores da saúde e dos médicos. A prefeitura não mandou nenhum representante para a audiência com os vereadores, mas a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Natal (Sinsenat), Soraya Godeiro, informou que existe a possibilidade do município enviar representantes da área de planejamento para as duas assembleias que serão realizada hoje, no auditório do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte-RN), na avenida Rio Branco, a primeira às 9 horas, com os servidores da saúde e a segunda a partir das 14 horas, para discutir o plano geral de carreira. Os servidores do município de Natal lotaram as galerias e o pátio da Câmara Municipal de Natal na tarde de ontem para acompanhar a audiência pública para discutir “O Plano de Cargos, Carreiras e Salário Geral, da Saúde e das Gratificações e Adicionais dos Servidores Municipais.” Só estiveram presentes os vereadores da oposição, algo esperado diante das declarações anteriores do líder da prefeita, Enildo Alves, que informou a orientação de não comparecer. A vereadora Júlia Arruda (PSB) lamentou a ausência de representantes do Poder Executivo e criticou a postura da Prefeitura de não ouvir os sindicatos, os servidores e sequer os vereadores. “Mais uma vez a Prefeitura se recusa a abrir as portas para o debate”, afirma. A proposta dos servidores é de que nesta sexta os vereadores tirem uma solução para o impasse com a prefeitura e que, no fim da próxima semana, sejam votados os projetos com as alterações defendidas pelos servidores. “Queremos que os planos sejam aprovados antes das eleições”, disse Soraya Godeiro. Sesap alega que orçamento é insuficiente O abastecimento dos hospitais da rede estadual é o problema mais urgente a ser resolvido, mas não é o único ponto comprometido no orçamento da Sesap. A secretaria alega que há várias outras obrigações ameaçadas pela falta de orçamento, o que põe em xeque o funcionamento dos 23 hospitais da rede, além dos convênios de cirurgias e leitos de UTI com hospitais privados. Até mesmo as decisões judiciais que obrigam a Sesap a adquirir medicamentos ou custear cirurgias estão ameaçados. A petição do Ministério Público é resultado de seguidas reuniões com a Sesap, nas quais foi informado as promotoras que existem R$ 25,5 milhões disponíveis para custear todas as demandas da saúde estadual até o fim do ano, dos R$ 774 milhões colocados à disposição no início de 2010. Desse montante, mais de R$ 23 milhões diz respeito à folha de pagamento dos servidores, restando cerca de R$ 2 milhões para manter todos os hospitais, além de contratos de terceirização, até o fim do ano. O montante é insuficiente. O pedido de suplementação orçamentária que a Secretaria de Saúde fez à Secretaria de Planejamento, no dia dois de setembro foi de mais de R$ 90 milhões. Baseadas nessa situação, as promotoras requisitaram ao Tribunal de Justiça a inclusão do Ministério Público no processo que o Governo do Estado move contra a Assembléia Legislativa para conseguir o remanejamento de 3% do Orçamento Geral do Estado para 2010. A tese do Governo do Estado é que a Assembléia está sendo omissa ao não aprovar o pedido, tendo em vista que se trata, na avaliação do Governo, de algo fundamental para a continuidade de serviços básicos, como os serviços de saúde. A Secretaria Estadual de Saúde emitiu um comunicado à imprensa ontem pela manhã reconhecendo as dificuldades orçamentárias. “A Sesap espera que o pedido seja acatado pela Assembléia Legislativa o mais rápido possível”, diz a nota. Tanto a Sesap como o Hospital Walfredo Gurgel se recusaram a dar outras informações sobre a crise orçamentária e de desabastecimento na rede estadual. EMPRESAS DA ÁREA DE SAÚDE RECEBEM ALERTA Brasília (AE) - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) acendeu uma luz amarela para os movimentos de consolidação de empresas no setor de saúde. O órgão antitruste aprovou dois atos de concentração na área, mas mostrou-se preocupado com a célere modificação da estrutura do setor. “Precisamos dar mais atenção a esse processo de consolidação. Não temos ainda preocupação muito grande neste momento, mas entendo o processo como muito rápido e, em breve, teremos confronto”, previu o conselheiro Ricardo Ruiz. O conselheiro destacou que identificou o início mais forte das mudanças há dois anos, com a crescente quantidade de ofertas públicas de ações no mercado financeiro. “Vemos processo de verticalização em várias direções”, sintetizou. Por isso, de acordo com ele, é preciso ter atenção não apenas em relação a serviços hospitalares ou planos de saúde, mas também em outros serviços que circulam em torno desses segmentos, como os laboratórios de análises clínicas, por exemplo. Ampliação Segundo Ruiz, nos anos 90, um grande grupo da área de saúde tentou verticalizar suas operações, mas depois voltou atrás. Agora, esse grupo tem mostrado interesse novamente em ampliar sua atuação. “Temos incerteza sobre a estruturação desse setor: escala, escopo, grau de verticalização, etc. Isso tem alguma força no setor e é relevante, pois não se tenta mesma coisa duas vezes”, argumentou. “Teremos complexidade adiante.” O relator dos dois casos aprovados há pouco pelo Cade, conselheiro Carlos Ragazzo, salientou ser necessário identificar o padrão de concorrência para o próximo milênio para os planos de saúde e como isso poderá ter impacto de entrada para novas empresas que queiram atuar no setor. Ele argumentou ser preciso aprofundar o conhecimento do setor, do plano de saúde até a farmácia. “A verticalização não se limita a planos de saúde de hospital, está indo a passos além disso”, observou. O primeiro caso da área aprovado hoje foi o ato de concentração entre a Medial Saúde e o Grupo Amesp. PREFEITURA VAI CORTAR PONTO DE MÉDICOS QUE NÃO RETORNAREM AO TRABALHO O Sindicato dos Médicos (Sinmed) entrou com recurso no Tribunal de Justiça nesta quarta para tentar reverter a decisão da desembargadora Maria Zeneide Bezerra, que considerou abusiva a greve dos médicos do município. “O recurso é direcionado à desembargadora, que se não reconsiderar a sua decisão, deverá encaminhar o recurso, com pedido de liminar, para julgamento em uma das Câmaras Cíveis do Tribunal”, explicou a advogada do Sinmed, Júlia Jales. A Prefeitura do Natal, porém, confirmou que irá cortar o ponto dos médicos que não retornarem às atividades. A argumentação da advogada do Sindmed é de que a categoria vem mantendo o percentual mínimo de 30% do atendimento aos pacientes - “inclusive até mais que isso em algumas unidades” -, além de que a categoria tem experiência de greve “até em sede estadual”, onde a prestação dos serviços de saúde é de média e alta complexidade. No caso do município, o Sinmed argui, segundo ela, que o serviço prestado é de atenção básica e, portanto, o movimento grevista “não traz risco à saúde da população”. Quanto à fixação de uma multa no valor de R$ 1.000,00 para cada dia de paralisação a partir da notificação do Sinmed, o que ocorreu no fim da tarde de terça-feira, dia 21, por intermédio de um oficial de justiça, Júlia Jales afirma “ser razoável” a sua não aplicação, enquanto não for julgado o recurso, em grau de agravo interno, em que são apresentadas as versões do Sindicato para a deflagração da greve, que amanhã completa 20 dias.”A desembargadora proferiu a sua decisão com base na versão do município”, lembrou a advogada. O secretário municipal de Gestão de Pessoas, Roberto Lima, confirmou que o ponto dos médicos que deixarem de comparecer ao trabalho, em face da declaração judicial de ilegalidade da greve, será cortado. Além do aspecto legal, o secretário diz que também “é um dever moral” de descontar nos salários as faltas ao trabalho, porque quem paga os servidores é a população natalense. Segundo Lima, a decisão judicial sobre a abusividade da greve dos médicos, dá o suporte legal para quem não está comparecendo ao trabalho “levar falta”, vez que não há mais justificativa. Mais informações na edição de amanhã da Tribuna do Norte. DIÁRIO DE NATAL MP CONSTATA QUE PROFESSORES USAM ATESTADOS MÉDICOS FALSOS Promotor recomendou que secretaria estadual aperte a fiscalização. Diretoria diz que vai cumprir solicitação Os professores e servidores da Educação que se ausentarem do serviço por licença médica ou atestado médico deverão apresentar, à Primeira Diretoria Regional de Educação (Dired), o original do atestado ou laudo médico pericial expedido por Junta Médica. Publicada no Diário Oficial do Estado de ontem, a recomendação da Promotoria de Educação do Ministério Público Estadual tem o objetivo de coibir a prática de falsificação de atestados médicos. A orientação é da promotora Carla Amico, após investigar e constatar vários casos de falsificação e irregularidades em licenças médicas, uma situação que agrava o déficit de professores e já vinha sendo alvo de denúncias de uma série de reportagens do Diário de Natal. O diretor da Dired garante que a recomendação será cumprida (leia na matéria abaixo). A partir da recomendação, os gestores de escolas públicas estaduais de Natal, Primeira Regional de Educação e a Administração de Pessoal e dos Recursos Humanos da Secretaria Estadual de Educação deverão exigir a apresentação dos atestados originais ou, em caso em que não seja possível a entrega do original, será aceita a apresentação da cópia, que deverá ser comparada ao original no ato da entrega e o servidor da Seec carimbar o documento com a sua assinatura e matrícula. No caso de atestados médicos que determinem afastamento das atividades por mais de 15 dias, os servidores deverão passar por avaliação da Junta Médica Estadual para substituir os atestados por laudos autorizando o afastamento e apresentando também à junta, os originais da licença médica expedida. Segundo a promotora de Justiça, Carla Amico, uma das principais práticas era a utilização seguida de cópias de um mesmo atestado com as datas modificadas até de forma artesanal. Para justificar a falta, o servidor só apresentava a cópia xerox do documento, sem os originais, sob o argumento de que tinha outro vínculo, onde também precisava apresentar o atestado. "Esse tipo de procedimento simplesmente virou rotinaem muitas escolas da rede, envolvendo não apenas servidores como também médicos subscritores de supostos atestados", disse a promotora completando que alguns médicos foram notificados e informaram que, em determinados casos, houve a consulta médica, mas não na forma e quantidades que foram apresentadas com um mesmo atestado". SARAMPO // TRÊS CASOS NO SUL Depois de 11 anos, a Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul confirmou três casos de sarampo no estado. De acordo com o governo gaúcho, o laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), referência nacional para o sarampo, identificou nos doentes o mesmo vírus que circula na África desde 2007. Todos os casos foram registrados em Porto Alegre, sendo dois em garotas, de 10 e 11 anos de idade, da mesma família, que viajaram com a família para Buenos Aires, na Argentina, de 22 a 28 de julho, no mesmo período em que foram identificados casos de sarampo no país vizinho. As crianças não foram vacinadas contra a doença. A suspeita é de que o vírus que circula na Argentina tenha origem na África do Sul. GAZETA DO OESTE FÓRUM DISCUTE A CONSTRUÇÃO DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE A Secretaria Estadual de Saúde Pública (SESAP), por meio do Núcleo Articulador da Humanização em Saúde, realizou na segunda-feira, 20, o Fórum Estadual de Humanização com o tema: "Redes de Atenção à Saúde - uma construção necessária". O evento aconteceu das 8h às 13h, no auditório da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), localizado na Av. Alexandrino de Alencar, 1402, Tirol. Voltado a profissionais da Saúde, o fórum teve por objetivo discutir, através de uma roda de conversa, novas propostas para ampliar o Sistema Único de Saúde (SUS), assim como melhorar o atendimento integral à população e evitar a fragmentação das ações em saúde. Na programação do evento, a consultora Liane Righi, do Programa Nacional de Humanização, abordou o tema de Redes de Atenção à Saúde. Além disso serão debatidas "As redes de regionalizadas de atenção à saúde" e "Linhas de Cuidado no Contexto da Construção das Redes Saúde". De acordo com Acácia Cândido, técnica do Núcleo Articulador da Humanização da Sesap, "o fórum busca fomentar o debate, trazendo à tona resoluções para o encaminhamento da sustentabilidade do SUS, na construção da rede de saúde, que abrange da baixa à alta complexidade". O MOSSOROENSE AGENTES DA REGIONAL DE SAÚDE RECEBEM TREINAMENTO PARA DIMINUIR MORTES NEONATAIS Técnicos da Vigilância de Óbitos da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) e das Vigilâncias de Óbitos da II Ursap e da Gerência Executiva de Saúde de Mossoró estão realizando desde ontem (22), na Faculdade de Ciências Médicas de Mossoró, a I Oficina para Implementação das Ações de Vigilância de Óbitos e Implantação da Busca Direcionada de Óbitos e Nascimentos. A ação é destinada aos responsáveis na Atenção Básica pelo Pré-Natal, agentes comunitários de saúde, responsáveis pelo SIM/Sinasc e Vigilância de Óbitos. De acordo com Salizete Sales, coordenadora responsável pelo setor de nascimentos neonatais da II Ursap, a oficina é de fundamental importância e vem para tentar controlar os altos índices de mortalidade neonatais no município. "Mortes de crianças abaixo de sete dias são uma das principais causas em hospitais da cidade, entre internações de crianças e de gestantes", diz Salizete. A mortalidade infantil caiu significativamente no Rio Grande do Norte nos últimos anos, mas a mortalidade neonatal tem persistido. Segundo dados da Sesap, no período de 2000 a 2008 houve redução na taxa de mortalidade infantil de 47 em cada mil nascidos vivos para 28. "Isso quer dizer que de mil crianças nascidas vivas, 28 estão morrendo antes de completar um ano de idade", informa a coordenadora. Já a mortalidade neonatal, que ocorre no período de até 28 dias de nascimento, tem se mantido entre 10 e 12 mortes nos últimos anos. "Essa realidade tem nos preocupado muito", frisou Salizete. Até junho, apenas na II Ursap foram 22 mortes deste tipo na região - 11 só de pessoas de Mossoró. O último dia do evento contará com a presença da consultora do Ministério da Saúde, Maria Antonieta Delgado Marinho, e da agente da Vigilância de Óbitos da Sesap. SAÚDE CELEBRA O DIA NACIONAL DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS Amanhã (24), para marcar as comemorações do Dia Nacional de Doação de Órgãos, celebrado em 27 de setembro, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) promove evento no Parque das Dunas, das 8h às 12h, com a participação de oito escolas estaduais. Na ocasião será feito o encerramento da Campanha Estadual de Doação de Órgãos, mostrando o resultado do trabalho de sensibilização realizado pela Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos do RN. A equipe promoveu palestras, distribuição de folders e criou uma campanha de conscientização nas escolas estaduais para que os alunos produzissem trabalhos sobre a temática da doação de órgãos. No Parque das Dunas as crianças apresentarão peças de teatro, músicas e cartazes sobre o tema e serão premiados com troféus. POLÍTICA Em 2008, a Sesap, Ministério da Saúde e Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) organizaram o 1º Seminário Estadual de Implementação da Política de Transplante. Na ocasião uma das estratégias sugeridas foi a inclusão do tema doação/transplante na proposta pedagógica das escolas de ensino fundamental e médio do Estado. As escolas estaduais participantes foram: Varela Barca, Antônio Pinto de Medeiros, Josefa Sampaio, Floriano Cavalcante, Nestor Lima, Antônio Fagundes, Lauro de Castro e União do Povo de Cidade Nova. RIO GRANDE DO NORTE REFORÇARÁ AÇÕES NA LUTA CONTRA O CÂNCER DE MAMA DURANTE O MÊS DE OUTUBRO Um mês inteiro dedicado ao combate ao câncer de mama. Essa é a proposta do Outubro Rosa, um projeto que surgiu há mais de dez anos nos Estados Unidos e ganhou alcance mundial. O movimento é conhecido pelas ações inusitadas, como a iluminação de monumentos famosos, como a Torre de Pisa (Itália), Arco do Triunfo (França) e o Cristo Redentor, no Brasil. Pelo segundo ano, o Rio Grande do Norte entra nessa luta para conscientizar e mobilizar a sociedade para o combate à doença. As ações serão realizadas pela Liga Norte-rio-grandense Contra o Câncer. Dentro do cronograma serão realizadas palestras e panfletagens durante todo o mês em shoppings, escolas, livrarias e diversas comunidades da cidade, como também várias outras mobilizações na intenção de alertar sobre a importância da mamografia periódica para todas as mulheres com mais de 40 anos e do diagnóstico precoce. O exame da mama é o melhor meio para detectar tumores ainda em fase inicial, possibilitando a cura em até 95% dos casos. A campanha começa oficialmente na terça-feira, 5, com a solenidade de abertura no Centro Avançado de Oncologia (Cecan), que contará com a presença da superintendência, toda a diretoria, funcionários e os grupos voluntários Rede Feminina de Combate ao Câncer e Grupo Despertar. O ápice da campanha ocorre na quarta-feira, 16/10, com uma Caminhada na avenida Engenheiro Roberto Freire. A intenção é conscientizar mais pessoas acerca dos alarmantes números da doença. Grande parte da população feminina ainda não se conscientizou da importância da detecção precoce do câncer de mama. Por esse motivo, cerca de 10 mil mulheres continuam morrendo a cada ano. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de mama é responsável por mais de 15% das mortes por câncer no Brasil. Por ano, cerca de 50 mil novos casos desse tipo de câncer são diagnosticados no país. O Inca estima ainda que o câncer de mama deve atingir 540 mulheres no Rio Grande do Norte em 2010, desses 60% já em estágio avançado, sendo 220 apenas na capital. O índice coloca o RN no quinto lugar entre os estados do Nordeste e 15º em todo o Brasil com maior índice de novos casos. Atualmente na Liga Norte-rio-grandense Contra o Câncer existem 1.200 pacientes se tratando do câncer do mama. JORNAL DE FATO SAÚDE ASSEGURA QUE MORTES ESTÃO NA MÉDIA E CONTINUA A VACINAR Mesmo com a morte dos animais após a vacinação antirrábica, em Natal, a campanha segue até o dia 29 de outubro. O Ministério da Saúde manteve a recomendação de continuar com a imunização de cães e gatos em todo o Rio Grande do Norte, inclusive na capital, onde ocorreram os óbitos. A vigilância à saúde estima que até agora mais de 12.200 animais tenham sido imunizados, o equivalente a pouco mais da metade, 52% da meta do Município. A estimativa é que Mossoró tenha uma população de 41.397 animais, incluindo cães e gatos. "Até agora não registramos nenhum caso de morte nos animais que foram vacinados em Mossoró. De toda forma, o MS esclareceu que casos adversos podem acontecer e que o número do Estado está dentro da proporção aceitável", assegura a gerente executiva da Saúde, Jacqueline Amaral. Quem não vacinou o animal no Dia D, sábado, 18, deve levá-lo agora ao Centro de Controle de Zoonoses. Lá profissionais estarão de plantão para fazer o atendimento de cães e gatos. O Centro de Controle de Zoonoses de Mossoró funciona na Rua Carmelita Lima de Góis, 87, Belo Horizonte, por trás do Clube Aspetro. O horário de atendimento é das 7h às 11h e das 13h às 17h. CORREIO DA TARDE MÉDICOS MANTÊM GREVE POR TEMPO INDETERMINADO> Representantes do Sindicato dos Médicos (Sinmed) e o Chefe de gabinete Civil da Prefeitura do Natal, Kalazans Bezerra, se reuniram ontem à noite (21) para tentar chegar a um acordo quanto à questão das gratificações da categoria. Na ocasião, ficou decidido que o sindicato encaminharia hoje, uma proposta com as mudanças necessárias. Geraldo Ferreira, presidente do Sinmed, disse que não entende o que está causando tanta dificuldade. Pois, o sindicato quer apenas desmembrar as gratificações pagas aos médicos lotados nas unidades hospitalares, transformando-as em duas. Uma comum a todos, a Gratificação de Atividade Médica (GAM) e a outra paga de acordo com o local de serviço. Como exemplo, ele citou as gratificações recebidas pelos médicos do PSF e SAMU, ambos recebem R$ 3 mil de salário, mas o PSF tem R$ 5 mil em gratificações e o SAMU R$ 5,7 mil. A proposta do sindicato é criar um pagamento único de R$ 3 mil, a GAM e o restante ser pago de acordo com o local onde o profissional presta serviço. "Queremos apenas criar uma gratificação que atenda toda a categoria, sem essa variação de valor que acontece de lugar para lugar", disse. A Prefeitura afirma que não há recursos disponíveis. No entanto, Geraldo Ferreira diz que a decisão não mudará em nada os valores gastos pela Prefeitura. "A intenção do Sinmed é transformar as gratificações atuais em uma base comum a todos". Ele alega ainda que a categoria deseja resolver a situação, mas que depende de uma posição da Prefeitura. Novas mobilizações Durante a assembléia da segunda-feira (20) foi estabelecida a agenda de manifestações do movimento grevista. Nesta quarta-feira (22), às 14h, acontecerá uma manifestação na Câmara Municipal seguida de uma audiência. Na quinta-feira (23), é a vez dos médicos promoverem uma manifestação em frente à Prefeitura de Natal que contará com a presença do presidente da Federação Nacional dos Médicos (FENAM), Cid Carvalhaes e presidentes de sindicatos do Nordeste. Na sexta-feira (24) será realizada nova assembléia na sede do sindicato, às 19h, para avaliar os rumos do movimento. Assessoria de Comunicação do Cremern Telefone: 4006-5343 Contatos: Casciano Vidal: 9990-1473 Ana Carmem: 9909-4100
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

© PORTAL MÉDICO 2010 - o site do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Norte -Todos os direitos reservados
Av. Rio Branco, 398 – Cidade Alta - CEP 59.025-001 Natal/RN Fones: (084) 4006-5333, 4006-5309, 4006-5310, Fax (084) 4006-5308
e-mail: atendimento@cremern.org.br CNPJ: 24.517.609/0001-09
 

FECHAR X